Conheça a origem de algumas expressões populares – Parte 5

A série sobre a origem de algumas expressões populares brasileiras chega hoje ao seu quinto artigo. Hoje iremos explicar a origem de mais algumas expressões populares brasileiras.

Caso queira ir diretamente para alguma parte da matéria, utilize o menu a esquerda “Navegue pelo conteúdo do artigo”.

De pá virada

Conheça a origem de algumas expressões populares – Parte 5

Hoje, um sujeito da pá virada é aquela pessoa aventureira, criadora de casos. A origem da expressão entretanto é um pouco diferente. Surgiu do instrumento pá, que virada para baixo não tem utilidade alguma.

Deixar de Nhenhenhém

Nhee, em tupi, significa falar. Os índios não entendiam nada do que os portugueses falavam quando chegaram ao Brasil e falavam que estavam de nhen-nhen-nhen. Hoje em dia a expressão indica alguma conversa interminável, extensa.

Pensando na morte da bezerra

Esta expressão surgiu dos tempos bíblicos. Antigamente os bezerros eram sacrificados a Deus. Absalão, por não ter mais bezerros sacrificou a bezerra de seu filho. O garoto tinha muito carinho pelo animal e ficou sentado ao altar pensando na morte da bezerra até o que morreu algum tempo depois.

Jurar de pés juntos

A expressão surgiu das torturas executadas na época da Santa Inquisição. Neste tempo, os acusados de heresias tinham seus pés e mãos amarrados, sendo torturados para confessar os seus crimes.

Erro crasso

Crasso era um general romano que devia atacar os Partos. Confiante na vitoria e em maior número, o general decidiu abandonar todas as táticas romanas e apenas atacar. Contra todas as possibilidades, os Partos venceram devido a falta de disciplina de Crasso, que foi um dos primeiros a morrer. Hoje, sempre que uma pessoa comete um erro determinante, diz-se que ela cometeu um erro crasso.

Lagrimas de crocodilo

A expressão que hoje significa choro fingido vem da caça do crocodilo. O animal quando devora uma vítima, faz pressão com os dentes nas glândulas lacrimais e acaba chorando enquanto devora uma caça.

Fila indiana

Esta expressão tem origem na forma de caminhar dos índios americanos. Eles caminhavam desta forma para encobrir as pegadas dos que iam a frente.

Passar a mão na cabeça

A expressão, que hoje significa perdoar, vem do costume judaico. Ao se proferir bênçãos, os judeus passavam as mãos pela cabeça da pessoa.

Gatos pingados

Antigamente, no Japão, tinha-se uma pratica cruel de pingar óleo fervente em animais, principalmente em gatos. Os feitios geralmente eram realizados em grupos de pequenas pessoas. Hoje em dia, a expressão denota qualquer evento ou ocasião que conta com poucas pessoas.

Sem papas na língua

As papas são partículas que obstruem a língua de algumas galinhas. Sem papas, elas ficam com a língua livre. Hoje em dia, a expressão indica alguém que é franco, que diz o que quer sem rodeios.

Maria vai com as outras

Dona Maria I, avó de D. Pedro I, enlouqueceu e ficou incapaz de governar. Afastada, a mulher só saia escoltada por varias damas de companhia. Quando o povo via D. Maria dizia: “Lá vai D. Maria com as outras”. Atualmente, isso é dito para caracterizar uma pessoa sem opinião, que é convencida facilmente.

Conclusão sobre o artigo Conheça a origem de algumas expressões populares – Parte 5

Desta forma encerramos mais um artigo da série sobre as expressões populares brasileiras. Se você conhece a origem de alguma expressão popular que não apareceu na série ainda não se esqueça de deixar nos comentários.

Se você gostou deste artigo você pode acessar outros semelhantes na seção de Curiosidades da nossa página.

Fontes:

http://www.infoescola.com/biografias/luis-da-camara-cascudo/

http://queroumromance.blogspot.com.br/2011/02/expressoes-curiosas.html

https://tokdehistoria.com.br/2013/01/16/ditados-populares-e-seus-significados-segundo-cascudo/

Compartilhe essa informação:

5/5 (1)

Por favor, avalie esse artigo:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

shares